terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Da Beleza e a Consolação

                                               

“Of Beauty and Consolation”, é uma invulgar série de entrevistas com figuras essenciais da cultura do nosso tempo, conduzidas pelo jornalista holandês Wim Kayser. A série foi estreada na VPRO, um canal holandês, a 2 de Janeiro de 2003 e prolongou-se até 1 de Julho do mesmo ano. Em Portugal, a série foi difundida em 2006 pela RTP2, para os noctívagos e para os que sofriam de insónias. Felizmente, hoje as entrevistas podem ser visualizadas e saboreadas através do You Tube.  

Foram entrevistadas 26 figuras marcantes da arte, da filosofia, da literatura, da música, da biologia e da física. A lista de personalidades intrevistadas é absolutamente impressionante (por ordem alfabética): Karel Appel, artista plástico; Vladimir Ashkenazy, pianista e maestro; Catherine Bott, soprano; John Coetzee, escritor; Richard Dufallo, maestro; Freeman Dyson, físico teórico; Rudi Fuchs, director de museu; Jane Goodall, primatóloga; Stephen Jay Gould, zoólogo e paleontólogo; Germaine Greer, escritora; György Konrád, escritor; Rutger Kopland, poeta e psiquiatra; Leon Lederman, físico experimental; Elizabeth Loftus, psicóloga; Gary Lynch, psicólogo e químico; Yehudi Menuhin, violinista e maestro; Martha Nussbaum, filósofa; Richard Rorty, filósofo; Simon Schama, historiador; Roger Scruton, filósofo, Wole Soyinka, escritor; George Steiner, escritor e filósofo; Tatjana Tolstaja, escritora; Dubravka Ugresić, escritor; Steven Weinberg, físico teórico; Edward Witten, físico teórico e físico-matemático. Num último programa, muitos dos entrevistados reuniram-se para um acalorado debate sobre o tema central da série. Este encontro teve lugar a 9 de Julho de 2000, no Stedelijk Museum, em Amesterdão. 

Ainda não tive o oportunidade de ver todas as entrevistas, contudo considero marcantes as que tive a oportunidade de ver (cerca de dez). Ouvir Steve Weinberg e Edward Witten a falar sobre os problemas candentes da física contemporânea e sobre a unificação das interacções fundamentais da natureza, Jay Gould sobre as evidências paleontológicas da evolução, Vladimir Ashkenazy sobre os desafios e a complexidade do trabalho da regência orquestral, George Steiner sobre o reino da memória e sobre a grandeza de certas obras literárias, e Yehudi Menuhin discursar sobre a necessidade da aprendizagem musical e do ensino em geral e também acerca do conflito israelo-palestiniano, propiciam momentos de comovente empatia e de sublime iluminação. 

Fossem os nossos programadores televisivos mais lúcidos esta série seria retransmitida em horário nobre e em regime de obrigatoriedade.

Orfeu B.

1 comentário:

Iara Ricci disse...

excelente dica! muito obrigada...