domingo, 26 de setembro de 2010

Ponto Omega




The true life is not reducible to words spoken or written, not by anyone, ever. The true life takes place when we're alone, thinking, feeling, lost in memory, dreamingly self-aware, the submicroscopic moments.

...

"Haiku means nothing beyond what it is. A pond in summer, a leaf in the wind. It's human consciousness located in nature. It's the answer to everything is a set number of lines, a prescribed syllable count. I want a haiku war", he said. "I want a war in three lines. This was not a matter of force levels or logistics. What I wanted was a set of ideas linked to transient things. This is the soul of haiku. Bare everything to plain sight. See what's there. Things in war are transient. See what's there and then be prepared to watch it disappear."

...

"We're a crowd, a swarm. We think in groups, travel in armies. Armies carry the gene of self-destruction. One bomb is never enough. The blur of technology, this is where the oracles plot their wars. Because now comes introversion. Father Teilhard knew this, the omega point. The leap out of our biology. Ask yourself this question. Do we have to be human forever? Consciousness is exhausted. Back now to inorganic matter. This is what we want. We want be stones in a field."

Don Delillo

Tendo como foco o Ponto Omega do pensador e paleontólogo jesuíta Pierre Teilhard de Chardin (1881-1959), o ponto de exaustão da consciência humana, o ponto a partir do qual seguirá o paroxismo ou a sublime superação espiritual, a décima-quinta, e mais recente, novela do aclamado autor norte-americano, coloca-nos diante duma intrigante visão do mundo.

Autor de novelas e romances sobre a violência e a angústia, sobre a desumanização causada pela tecnologia e sobre a invasão da vida privada pela pseudo-cultura popular, Delillo descreve a trajectória de personagens que gravitam em torno das ideias dum pensador independente que é recrutado pelo Pentágono como consultor para conceptualizar, forjar uma visão completamente nova e encontrar o ponto central de toda a actividade bélica. Ao pensador é permitido o acesso aos documentos ao mais alto nível decisório e operacional da guerra. É-lhe permitido expandir o seu pensamento em todas as direcções, e explorar as nuances das palavras do léxico bélico.

A novela desenvolve-se no deserto da Califórnia, onde o pensador procura o silêncio e a substituição do tempo humano pelo quase inerte tempo geológico, e um cineasta procura convencê-lo a ser protagonista do seu segundo filme. Um filme sem maquilhagem, o pensador com nome próprio, a ser filmado contra uma parede marcada pelo tempo e a apresentar a sua visão de tudo, a esboçar uma biografia, a delinear uma radiografia do nosso tempo e das nossas guerras.

Não menos sugestivo é o encapsulamento da novela numa instalação que apresenta Psycho num vídeo que dura 24 horas e que é observado obsessivamente por um anónimo numa galeria em Nova Iorque. O congelamento do horror na reacção de Janet Leigh ao ataque de violência psicótica de que é vitima. Uma imagem que salta das páginas e acende a imaginação de qualquer leitor que tenha visto o filme de Hitchcock.

Uma novela rica em ideias, original e instigante. Uma excelente leitura.


Orfeu B.


1 comentário:

Blogger disse...

QUANTUM BINARY SIGNALS

Get professional trading signals sent to your cell phone daily.

Follow our trades NOW & gain up to 270% a day.